Santa Casa investiga morte de mulher após cirurgia de hérnia de disco

Hospital apura se houve negligência ou erro médico. Vítima teve dores e só foi para a UTI 19 horas após o procedimento.


/

Baixe o Adobe Flash PlayerBaixe o Adobe Flash Player

A Santa Casa de Pirassununga está investigando se houve negligência ou erro médico no atendimento de uma mulher de 39 anos, que morreu na manhã desta quinta-feira (26) após uma cirurgia.

Segundo a família, Divanilda Francisca da Silva fez uma operação de hérnia de disco na quarta-feira (25). Após o procedimento, ela foi para o quarto, passou mal e morreu nesta manhã. “Como uma pessoa que vai fazer uma cirurgia da coluna e sente dores abdominais? Eu não sou médico ou perito, mas eu estranhei muito. Como uma veia artéria rompe sozinha, do nada?”, questionou o irmão da vítima, Adriano Aparecido Francisco.

Amigos e parentes estão inconformados com a morte e com o atendimento do hospital, que não forneceu o prontuário médico. “A gente foi até a delegacia, fez um boletim de ocorrência de morte suspeita. Por que até agora não me deram o prontuário, mesmo tendo uma solicitação do delegado por escrito”, disse Francisco.

Dores

A família também reclama de negligência no atendimento e diz que a paciente sofreu fortes dores na barriga depois da cirurgia e o médico falou que eram gazes. Somente após 19 horas é que ela foi levada para a Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

A cunhada da vítima, Rosalina Martins da Silva, estava no quarto e disse que chamou a enfermeira várias vezes durante a noite. “Ela teve três quedas de pressão à noite. Ela dizia que não queria morrer, porque a dor era muito grande”, explicou.

Investigação

O diretor técnico do hospital, Sérgio de Paula Carvalho, disse que foi uma fatalidade. “Toda cirurgia existe um risco inerente ao ato cirúrgico. No momento que houve esse agravamento ela foi encaminhada para a UTI”, disse.

Mesmo assim o caso será investigado. “Agora vai ser a comissão de verificação de óbito e, se houver alguma irregularidade, ele é encaminhado para a comissão de ética médica”, explicou Carvalho.

O prontuário médico foi entregue para a Polícia Civil no início da noite.


3 COMENTÁRIO(S)

Saiba mais