Bancários de Campinas aderem à greve nacional

Movimento grevista reivindica reajuste de 10,25% nos salários e bancos propõem 6%.


/

Os bancários de Campinas e região decidiram entrar em greve nesta terça-feira (18), em adesão ao movimento nacional para reivindicar aumento nos salários. Segundo o Sindicato dos Bancários de Campinas e Região, a categoria reivindica 10,25% de reajuste, mas os bancos propõem 6%.

Durante a greve, os caixas de autoatendimento vão continuar funcionando.

A greve foi definida durante assembléia na semana passada e, na noite de segunda-feira (17) uma nova reunião definiu a paralisação.

Confira as reivindicações dos grevistas, segundo o Sindicato dos Bancários de Campinas e Região

Reajuste Salarial de 10,25%, sendo - 5% de aumento real, além da inflação projetada de 5%
PLR - três salários mais R$ 4.961,25
Piso - Salário mínimo do Dieese (R$ 2.416,38)
Vales Alimentação e Refeição - Salário Mínimo Nacional (R$ 622)
Plano de Cargos, Carreiras e Salários (PCCS) - Para todos os bancários
Auxílio-educação - pagamento para graduação e pós
Emprego - Ampliação das contratações, aumento da inclusão bancária, combate às terceirizações, além da aprovação da convenção 158 da OIT (que inibe dispensa imotivada)
Cumprimento da jornada de 6 horas
Fim das metas abusivas e assédio moral - A categoria é submetida a uma pressão abusiva por cumprimento de metas, que tem provocado alto índice de adoecimento dos bancários
Mais segurança nas agências bancárias, como a instalação das portas de segurança
Previdência complementar para todos os trabalhadores
Contratação da remuneração total
Igualdade de oportunidades
 


0

Saiba mais